Conecte-se conosco

Internacional

Mulher se passava por garoto de 16 anos para abusar de crianças – Banca.com

Publicado

em

Uma mulher que se disfarçava de um garoto adolescente para abusar sexualmente de meninas depois de conhecê-las na internet foi condenada a oito anos de prisão. Gemma Watts se passava por “Jake Waton”, de 16 anos, nas redes sociais e trocava fotos íntimas com as vítimas antes de encontrá-las em diversos locais da Inglaterra.

Watts, de 21 anos, moradora de Enfield, confessou no tribunal crimes sexuais envolvendo quatro meninas. De acordo com a polícia, ela pode ter violentado até 50 vítimas.

A Scotland Yard disse que Watts usava sua própria foto nas contas do Snapchat e Instagram como “Jake” e tinha como alvo meninas de 13 a 16 anos dando “likes” em seus perfis.  Ela até usava gírias adolescentes, enviou mensagens cheias de elogios e compartilhava fotos íntimas antes de viajar para encontrá-las pessoalmente.

Seu disfarce incluía amarrar os cabelos com um coque e usar um boné, calças esportivas e um capuz. A polícia disse que todas as suas vítimas acreditavam estar em um relacionamento com um adolescente até que os policiais revelarem que Watts era, na verdade, uma mulher adulta.

Ela era tão convincente que até chegou a passar um tempo como “Jake” com alguns dos pais das meninas. O tribunal ouviu duas das vítimas que desde então tentaram suicídio diversas vezes por causa das experiências traumáticas.

Já uma garota de 14 anos disse que seu “coração explodiu” quando soube a verdade sobre Watts pela polícia. Os abusos que Watts admitiu referem-se a uma menina de 13 anos de Plymouth, duas de 14 anos de Surrey e Hampshire e uma de 16 anos de West Midlands.

O promotor Barnaby Shaw disse que Watts apalpou várias vezes uma das vítimas durante pernoites regulares durante um período de três meses. Em uma ocasião, ele disse que a garota acreditava estar tocando os órgãos genitais de Watts, mas foi enganada pelo “que deve ter sido algumas meias firmemente enroladas juntas”.

A juíza Susan Evans disse que Watts enganou as meninas para sua própria satisfação. “A juventude delas, como você sabia claramente, as tornou mais ingênuas e menos propensas a perceber seu engano”, disse ela a Watts. Em novembro de 2019, a ré confessou uma acusação de agressão sexual, três acusações de encontrar uma criança com intenções sexuais e três acusações de abuso sexual.

 

O investigador Nicholas Plummer, da Polícia de Hampshire, disse que o caso é “verdadeiramente chocante”.

Destaque

Família encontra jacaré de 3 metros morando na porta de casa – Banca.com

Publicado

em

Uma família da Flórida, nos Estados Unidos, encontrou uma surpresa inusitada morando na porta da casa deles, na manhã do dia 30 de junho: um jacaré de quase 3 metros de comprimento.

O caso foi divulgado nas redes sociais pela reserva ambiental Croc Encounters, que abriga este tipo de réptil. Eles receberam uma chamada de emergência para resgatar o animal.

O jacaré não tinha dois membros, provavelmente perdidos após uma briga com outro réptil. Mas isso não o impediu de dar trabalho durante a captura ou prejudicar sua locomoção.

Apesar dos esforços [da família] para fazê-lo se mudar, ele se recusou a sair”, explicou o Croc Encounters no Facebook. “Ele não ficou muito feliz por ser despejado de um lugar confortável e à sombra, então, quebrou tudo o que havia ao redor”, afirmou.

A reserva ambiental precisou agir rapidamente para retirar o animal do local, já que a presença do jacaré estava “atraindo uma multidão durante toda a manhã”.

A família temeu que o resgate demorasse e resolveu avisar aos entregadores sobre a presença do jacaré. “Deixe pacotes aqui. Jacaré na porta da frente (é sério)”, dizia o cartaz que eles colaram em outra entrada da casa.

O jacaré foi resgatado e levado para o santuário. Ninguém foi ferido. Metrópoles

Continue lendo

Destaque

Facebook está investigando caso do “Homem Pateta” que aterroriza crianças – Banca.com

Publicado

em

Você já ouviu falar no Homem Pateta? Um alerta divulgado pela Polícia Civil nesta semana adverte pais e responsáveis para perfis no Facebook com o codinome Jonatan Galindo, que têm causado pânico em crianças e adolescentes.

Usando fotos que remetem ao famoso personagem da Disney, as páginas interagem com menores de idade na rede social por meio de mensagens pertubadoras, que podem induzir ao suicídio.

Além de cruel, esse tipo de conduta é considerada é crime no Brasil. De acordo com Lei nº 13.968, aprovada no ano passado, induzir ou instigar alguém a suicidar-se ou a praticar automutilação pode gerar uma pena de seis meses a seis anos de prisão.

O Facebook informa que está investigando o caso e que páginas falsas ou com conteúdos que incentivem a automutilação estão sujeitas à remoção. A rede social também disponibiliza o seu Portal para Mães e Pais, com dicas para o uso e segurança na internet”, disse a empresa, por meio de nota.

Dicas para proteger seus filhos

Essa não é a primeira vez que o uso das redes sociais se torna uma ameaça para os pais. Em 2017, o desafio da baleia azul, surgido em uma rede social russa, viralizou entre jovens e foi associado a uma onda de suicídios entre crianças e adolescentes.

Em uma cartilha com dicas para ajudar os pais a protegerem seus filhos na internet, a delegada de Polícia Civil Fernanda Lima afirma que a melhor estratégia para proteger as crianças desse tipo de ameaça é manter um diálogo aberto com elas. Isso por que menores com problemas de relacionamento com os pais tendem a ser alvos mais fáceis de criminosos nas redes sociais.

“Conversar e fortalecer a relação de confiança também é fundamental para que, caso algo aconteça, ele se sinta à vontade para te procurar e contar imediatamente o que ocorreu”, pontuou Fernanda, especialista em investigação de crimes contra crianças e adolescentes.

Saber que páginas eles têm visitado também é fundamental.

“Mesmo que seu filho seja adolescente, não é demais lembrar que você tem total responsabilidade pela garantia da integridade física e psicológica dele, portanto, monitore constantemente o que seu filho vê, lê, ouve, escreve ou assiste pela internet. Os criminosos sexuais usam diversas estratégias para se aproximar das crianças e dos jovens, e podem aproveitar essa brecha até mesmo para obter informações sobre a rotina da sua casa e marcar encontros às escondidas para praticar os abusos”, aconselhou Fernanda.

Continue lendo

Destaque

Mulher é presa após manter corpo da avó no porão por 15 anos para continuar recebendo pensão – Banca.com

Publicado

em

De acordo com as autoridades da Pensilvânia, Cynthia Black, de 61 anos, manteve o cadáver de sua avó em um freezer no porão por 15 anos, a fim de continuar recebendo os benefícios da previdência social da mulher morta.

Ela teria conseguido arrecadar cerca de 186 mil dólares do governo neste período, em cheques destinados para Glenora Delahay. Black afirma que ela morreu em março de 2004, aos 97 anos, segundo o jornal The Philadelphia Inquirer.

A mulher teria dito à polícia que encontrou o corpo de sua avó em sua casa em 2004 e decidiu escondê-lo em um freezer no porão, porque ela precisava da renda dos cheques mensais, que são no valor de US $ 1.765.

O dinheiro foi transferido para uma conta usada por Black, sua mãe Glenora Waltzinger, que morreu em 2011, e Glenn Black Jr. A porta-voz da Polícia Estadual, Kelly Osborne, disse que não sabia se Glenn era o parceiro de Cynthia.

Black teria usado dinheiro dos cheques para pagar a hipoteca de uma casa para onde a família – incluindo o corpo da avó – se mudou em 2007. Em 2018, no entanto, eles se mudaram dessa casa, que fica em Dillsburg. EXITOÍNA

Continue lendo

Mais Lidas

Copyright © 2019 Portal de Notícias - Coisas incríveis no mundo dos negócios nunca são feitas por uma única pessoa, e sim por uma equipe - Todos Direitos Reservados.